O que eh Mishna? Gemara? Talmud? Midrash? PARTE 2

27.08.2015

 

Quem estuda Judaismo com certeza jah se deparou com alguns destes nomes, mas... o que eles significam? O que ensinam? Como sao estudados? Sao de acesso publico?

 

Vou tentar fazer um resumo, usando informacoes disponiveis no site da Aish,  Jewish History,  Jewish Virtual Library e de uma serie de videos infantis bem legal chamada Animated Talmud

 

Se vc tiver algo a acrescentar ou perceber algum erro, eh soh me contactar via e-mail vpjudaica@gmail.com ou pelo Facebook.

 

Se vc quiser copiar algo deste post, eh soh me pedir. 

 

 

INTRODUCAO

 

Alem da Lei Escrita, que eh a nossa Torah, tambem recebemos a Lei Oral, que era passada de geracao a geracao, de professores para alunos. 

 

Moshe Rabeinu (Nosso Professor) recebeu a Lei Oral e a ensinou a Yehoshua ben Num, que a ensinou aos Zekenin (ancioes), que a ensinou aos Neviim (profetas) que viveram desde o tempo dos reis de Israel ateh a destruicao do Primeiro Templo.

 

Os Neviim passaram a Lei Oral aos Homens da Grande Assembleia (um conjunto de 120 Sabios que guiaram o povo durante o exilio babilonio).

 

Depois da era dos Homens da Grande Assembleia, coube aos Zugot, que eram 2 Grandes Sabios que tinham a responsabilidade de guiar o povo e eram os lideres do Sanhedrim, transmitir, ensinar e estudar a Lei Oral.

 

O primeiro membro dos Zugot era chamado de Nasi (Nasi traduz como Principe, bom... o Nasi seria o "presidente" do povo judeu, mais ou menos...), que tinha por responsabilidade de dirigir o povo e demonstrar principios de responsabilidade, harmonia, amor e paz. O segundo dos Zugot era chamado de Av Bet Din (o cabeca da Corte da Lei Judaica), pois este auxiliava aos Sabios do Sanhedrim em suas discussoes para que chegassem a uma decisao correta.  Por 250 anos, 5 pares de Zugot lideraram o povo judeu e o Sanhedrim.

 

Os ultimos Zugot foram Hilel e Shamai. Hilel foi Nasi e Shamai, o Av Bet Din. (curiosidade: Hilel era um descendente do Rei Davi)

 

Como todos sabemos, os estudantes de Hilel e Shamai tinham discussoes acirradas sobre a Lei Oral que extremamente importantes para o desenvolvimento da vida judaica e adaptacao aos novos tempos. Os Sabios da epoca admitiram que todas as opinioes mereciam o  mesmo nivel de respeito, entao para que nada fosse perdido, muitos estudantes das duas escolas de pensamento comecaram a decorar todas as discussoes (nao era uma missao facil, eles tinham que repetir os ensinamentos durante o dia inteiro). 

 

Com todo este tempo, a Lei Oral se desenvolveu bastante (esta era a grande vantagem da Lei Oral, pois tinha a liberdade de crescer de acordo com as necessidades de cada geracao).

 

Depois da morte de Hilel e Shamaim, os ultimos Zugot, surgiram os Tannaim. 

 

Tanna = repetidor

Tannain = repetidores

  

Mesmo sendo muito sabios, os Tannain eram treinados a repetir os trechos da Lei Oral que lhes eram designados. O periodo dos Tannain durou por 5 geracoes.

 

 

 

MISHNA

 

A cada geracao, havia experts em diferentes areas da Lei Oral. Por exemplo, um professor era perido nas leis de Shabbat, outro, em leis de agricultura, outro em leis civis etc. Em resumo, eles eram os responsaveis por passar de maneira completa todas as tradicoes recebidas por Moises.

 

Esta formula de manutencao da Lei Oral funcionou muito bem enquanto o Sanhedrin existiu e a corrente de transmissao da lei nao sofria riscos de extincao, ou seja, os professores tinham plena liberdade de passar seu conhecimento as novas geracoes de alunos.

 

Porem, com a destruicao do Segundo Templo, a derrota de Bar Kochba, o eminente risco de extincao do Sanhedrin e a perseguicao romana que levou a diaspora, ficou muito claro para todos que o povo Judeu ficaria por muito tempo no exilio. Assim sendo, o sistema de aprendizado baseado em transmissao oral ficou seriamente ameacado.

 

Vendo estes desafios, o Rabino Yehudah HaNasi (Yehuda, o Principe, que era descendente de Hilel) percebeu que a situacao representava grande risco a Lei Oral... ele viu que o Templo nao seria reconstruido em sua geracao e possivelmente em varias geracoes futuras e em meio ao caos criado pela ocupacao romana, ele decidiu que a hora de escrever a Lei Oral tinha chegado. 

 

Embora alguns rabinos de geracoes anteriores mantivessem anotacoes escritas que resumiam parcialmente a Lei Oral, tais anotacoes eram mantidas para uso privado, em suas academias ou salas de estudo. Estas anotacoes nao estavam organizadas e nem sempre demonstravam as varias opinioes da halacha (pode haver mais de uma resposta para uma questao halachica).

 

Coube entao ao Rabino Yehuda HaNasi a missao monumental de juntar, editar, explicar e organizar o vasto material. 

 

O resultado final desta versao escrita e organizada da Lei Oral foi chamada de MISHNA. 

 

A palavra Mishna (vinda da palavra Hebraica 'shanah') significa "repeticao" porque enquanto de forma oral, os estudantes tinham que repeti-la (era a missao de vida deles, repetir, repetir, repetir) para que o conhecimento fosse passado de maneira adequada.

 

Maimonides nos explica em seu livro Mishne Torah: "Ele juntou todas as tradicoes, promulgacoes,  interpretacoes e exposicoes de toda opiniao da Torah, seja as que vieram diretamente de Moises, nosso professor, ou que tinham sido deduzidas pelas cortes (rabinicas) de varias geracoes. Todo este material ele usou para redigir a Mishnah, que era diligentemente ensinada em publico, e desta maneira, se tornou universalmente conhecida entre o povo judeu. Copias deste trabalho foram feitas e espalhadas, para que a Lei Oral nao fosse esquecida em Israel"

 

A Mishna foi escrita em Hebraico antigo (classico). Seu texto eh extremamente conciso (resumido), como se fossem anotacoes pequenas de uma informacao muito maior que necessita da explicacao de um professor qualificado. Ler a Mishna eh mais ou menos como ler a "ponta do iceberg" do que seria realmente a Lei Oral.

 

O proposito de redigir a Mishna de uma maneira tao resumida, foi para que o laco que unem professores e alunos jamais se rompesse.  

 

A Mishnah foi dividida em 6 segmentos basicos, ou "ordens". Depois, ela foi dividida em 63 tratados com um total de 525 capitulos. Cada um dos 6 segmentos eh nomeado de acordo com areas basicas da lei Judaica:  

 

  • Zeraim, "sementes" lida com leis agricolas, leis referente a alimentacao e bencaos

  • Moed, "feriado" lida com rituais de Shabbat e Yom Tovim

  • Nashim, "mulheres" lida com assuntos referentes ao relacionamento entre homens e mulheres tais como casamento, divorcio etc.

  • Nezikin, "prejuizos" cobre a lei civil e criminal

  • Kodshim, "santidades" ou "coisas santas" se referem as leis do Templo

  • Taharot, "coisas puras" leis de pureza e impureza espiritual 

 

Porem, um dos 63 tratados da Mishna nao contem lei alguma. Eh o que chamamos de Pirkei Avot (Etica dos Pais, que pode ser encontrada em todos os sidurim) que traz mensagens de profunda sabedoria no formato de ditados (e que precisam de professores para explicacao de seu conteudo).

 

Rabino Yehuda HaNasi terminou a Mishna cerca do ano 190 da Era Comum na cidade de Tzipori, na Galileia. Mesmo com todas as leis escritas, ainda havia a necessidade de professores qualificados para ensina-las e o mais importante, ensinar ao povo a INTERPRETA-LAS.

 

Abaixo, um exemplo de uma mishna nao interpretada e em seguida, sua interpretacao (interpretacao parcial, porque tem muito mais informacao sobre esse paragrafo). 

 

Nos machzorim (machzor eh o 'sidur' que usamos em feriados religiosos, eles contem rezas especiais para a data comemorada) da Editora Artscroll, encontramos as mishnaiot (plural de mishna) do feriado e uma explicacao resumida delas. Para se ter uma explicacao completa, o leitor interessado eh aconselhado a comprar a Mishna vendida pela Artscroll.

 

Sim, sim, sim, caros amigos e amigas do blog... TUDO estah disponivel em Ingles. E eh por isso que voces tem que tomar MUITO, mas muito cuidado com "celebridades de Youtube" e Facebook que "ensinam" Judaismo. Qualquer individuo pode comprar uma Mishna, se tiver dinheiro pode comprar o Talmud inteiro e outros livros classicos da literatura judaica, decorar, ler na frente da camera e baixar no Youtube (na verdade, ela nem precisa comprar, pode ler na internet mesmo pois ha sites de Mishna, Talmud, etc.)... dai... as pessoas inocentes pensam que tal "professor(a)" eh uma  pessoa entendida no assunto e pode se tornar vitima de... falcatrua.

 

Olhem bem p/ este exemplo que vou digitar abaixo: eu nao sou moreh, rebbetzin, rabina, doutora, diretora etc, etc, etc maaaaaaas falo Ingles fluentemente. Entao... seria muito facil para eu, uma pessoa leiga (assim como eh facil para pessoas leigas , que nunca pisaram em uma yeshiva ou seminario) "ensinar" Judaismo em redes sociais... entao fica o aviso: antes de seguir algum(a) "professor(a) de Youtube", cheque as credenciais da pessoa.

 

Eu levo isso MUITO a serio e sempre que vou dar uma opiniao pessoal dentro de algum tema religioso, sempre comeco com a palavra ACHO. Se for opiniao escrita, eu escrevo ACHO em maiuscula mesmo... se for opiniao falada, eu enfatizo a palavra AAAAAAAAACHO p/ que a pessoa que me ouve tenha plena liberdade de discordar. Se o tema for religioso, mas do tipo que nao requer opinao, entao sempre passo a referencia. 

 

 

Ok, vamos a mishna:

 

 

MISHNA SEM INTERPRETACAO 

Mishna Yoma – Capitulo 1 (paragrafo 1)

 

‘Sete dias antes de Yom Kippur eles sequestravam o Cohen Gadol de sua casa e o levavam para a sala dos oficiais, e eles preparavam outro cohen para substitui-lo, caso o primeiro se tornasse inqualificado. Rabino Yehuda diz: Eles tambem preparam outra esposa para ele, em caso que a sua morra, porque foi dito: E ele deverah redimir a si mesmo e a sua casa; ‘sua casa’ – que eh, sua esposa. Eles lhe disseram: Se for assim, nao haverah fim para este problema.’ 

 

 

MISHNA COM INTERPRETACAO 

Jah que o servico religioso de Yom Kippur soh podia ser dirigido pelo Cohen Gadol (no Templo), o tratado Mishna Yoma (que se refere a Yom Kippur) descreve algumas preparacoes necessarias que deveriam ser feitas antes do grande dia. 

 

O temor de tamei (impureza) que poderia desqualificar o Kohen Gadol fez com que este e lideres religiosos da epoca desenvolvessem maneiras de protege-lo deste risco.

 

Se o Kohen Gadol morasse com sua esposa nos dias antes de Yom Kippur, havia a rarissima possibilidade dele contrair tumah (impureza), entao ele era retirado de sua casa. (NOTA PESSOAL: havia regras validas naquela epoca que nao sao seguidas hoje em dia. E de acordo com as regras daquela epoca, havia certas circunstancias que impurificavam a pessoa por 7 dias)

 

Mas mesmo isolado de sua familia, ele poderia ainda se tornar ‘tamei’ (impuro) 1 dia antes de Yom Kippur, caso entrassem em contato com algum objeto considerado impuro, entre outras circunstancias. Caso o Kohen se tornasse impuro (atraves de contato com mortos, etc, etc, etc) na noite ou nas horas que antecedem Yom Kippur, ele ficaria impuro ateh a noite do dia seguinte e precisaria mergulhar em uma mikva para se purificar… e nao poderia dirigir o servico religioso de Yom Kippur (regras da epoca… nao pense que sao validas ateh hoje, please).

 

Por isso ele era retirado de sua casa e mantido na area do Templo por 7 dias. Nao havia “sequestro” algum… era simplesmente um ritual, o Kohen e sua familia (assim como TODO MUNDO) sabia que ele teria de ser levado a esta casa na area do Templo e ficar lah ateh chegar a hora de iniciar os servicos religiosos de Yom Kippur.

 

No entanto, o Kohen nao tinha que ficar o tempo todo dentro desta sala, ele podia sair dela por pequenos periodos de tempo.

 

Quem eram os oficiais mencionados no texto? Eh uma historia longa:

 

Era na verdade o escritorio privado do Kohen Gadol que ficava no lado norte do Templo. Quando o escritorio dos Sumos Sacerdotes foi corrompido (durante metade e no final da era do Segundo Templo) e foi vendida em leilao, os Koahnim Gedolim tinham que ser mudados todos os anos, e a sala (escritorio) foi renomeada ‘sala dos oficiais’. Segundo Rashi, o nome ‘sala dos oficiais’ se dah ao fato de que o sacerdocio tinha se tornado uma indicacao oficial (seguindo as leis dos homens, e nao a de D’eus) que dependia da aprovacao (ou caprichos) do rei vigente.

 

O Substituto

Como a mishna usa o verbo “preparar” em vez de “sequestrar”, a Gemara (3d) deduz que o Kohen Gadol substituto (que faria o servico religioso, caso o que foi “sequestrado” se tornasse impuro) nao precisaria ser sequestrado; entao enquanto o “sequestrado” ficava 7 dias na ‘sala dos oficiais’, o substituto ficava em sua propria residencia, com sua familia.

 

Expiacao por ‘sua casa’ = sua esposa

O Kohen Gadol nao poderia oficializar Yom Kippur a nao ser que ele tivesse uma familia. 

 

Um problema infinito

Se eles realmente temessem que a esposa do Kohen Gadol poderia morrer durante os 7 dias antes de Yom Kippur, eles tambem teriam que temer que a segunda esposa (substituta que deveria ser preparada, como mencionado na mishna) tambem poderia morrer… Assim sendo, Rabino Yehuda manteve a opiniao de que as 2 esposas (a oficial e a que seria preparada, caso a oficial morresse) morrerem na mesma semana era tao remota que ninguem deveria se preocupar com esta possibilidade. E entao “eles” (as autoridades religiosas da epoca) concordaram com ele, pois ‘se assim fosse, nao haveria fim para este problema’… ou seja, se a primeira esposa morresse, e a segunda morresse, dai teriam que preparar uma terceira esposa, que tbm poderia morrer, dai teriam que preparar uma quarta… e assim por diante. Entao, soh preparavam uma, porque um Kohen Gadol solteiro nao poderia oficializar Yom Kippur, (esposa nesta mishna  = casa, no Hebraico = ‘beit’ como as mulheres sao geralmente identificadas na Torah) .

 

FIM DA TRADUCAO

E essa foi a explicacao PARCIAL soh do primeiro paragrafo... a mishna de Yom Kippur (Mishna Yoma) tem 8 capitulos, entre 5 e 11 paragrafos cada. 

 

Se vc eh judeu e gostaria de se aprofundar nas mishnaiot, eh soh dar uma pesquisada nas editoras que vendem este tipo de material. Aqui vai o link da Artscroll para Mishna... tipo assim... U$23.39 cada tratado... veja bem...  http://www.artscroll.com/Categories/MIS.html

 

Entao eh isso, a informacao eh acessivel a todos que falam Hebraico e Ingles, entao vcs tomem cuidado e pecam credenciais de qqr pessoa que queira "ensinar" Judaismo, ok? Como pedir credenciais? Sei lah... pergunte quem eh o rabino da pessoa, qual yeshiva/seminario a pessoa cursou, qual escola JUDAICA jah trabalhou como professor(a) e que sinagoga frequenta. Se o(a) professor(a) nao tiver respostas p/ esta pergunta... well, well, well...

 

 

 

 

CONTINUANDO A HISTORIA DA MISHNA

A Mishna de R. Yehuda HaNasi foi aceita por todos e nenhuma alteracao de seu conteudo foi aceita. Os Sabios que EXPLICAVAM a Mishna eram chamados Amoraim, e estes a explicaram e ensinaram por 7 geracoes.

 

Mas como aqueles eram tempos de crise politica, financeira e Israel estava totalmente devastada depois das Guerras Judaicas contra os romanos, os Judeus mudaram-se em massa para outros paises (devido a expulsao decretada pelo Imperador Adriano depois da derrota de Bar Kochba).

 

Um vasto numero destes Judeus tinham se mudado para a Babilonia (Iraque), onde eles jah tinham se fixado antes. Alem de oferecer uma infra-estrutura capaz de receber os imigrantes Judeus, com academias de ensino, sinagogas e comunidades, a Babilonia estava livre da dominacao Romana. (ainda havia Judeus morando em Israel, mas seu numero era muito pequeno e sofriam altas represalias dos romanos)

 

Com o passar dos seculos, exilados e temerosos pelo seu futuro, tantos as comunidades judaicas existentes na Babilonia e Israel sentiram a necessidade de escrever as explicacoes mais detalhadas para os ensinamentos contidos na Mishna (pois estes tinham sido escritos de forma compacta, resumida).

 

As discussoes e explicacoes mais detalhadas das Mishnaiot (tratados da Mishna) foram devidamente arranjadas em sessoes distintas e escritas em Aramaico, recebendo entao o nome de Gemara.  

 

De uma maneira beeeeeeem resumida, a Gemara eh o comentario da Mishna.

 
Fim da Parte 1

------

 

PARTE 2 

GEMARA = TALMUD

 

Recapitulando:

 

Os Tannaim (Repetidores) repetiam os ensinamentos da Mishna de geracao a geracao, pois eram os portadores da Lei Oral.

 

Os Amoraim (Explicadores) eram os Sabios que explicavam as mishnaiot. 

 

Assim sendo:

Por centenas de anos, os Amoraim discutiram e explicaram os topicos apresentados na Mishna do Rabino Yehuda HaNasi, que decidiu que estava na hora de colocar a Lei Oral no papel para que esta nao se perdesse. 

 

As discussoes e explicacoes dos Amoraim sao chamadas SUGIOT (no plural, leia-se suguiot) e cada uma dessas discussoes eh chamada de SUGIAH (no singular, leia-se suguiah).

 

Assim como aconteceu com a Mishna, que foi coletada, organizada e editada pelo Rabino Yehuda HaNasi, cada suguiah (discussao) que explicava as mishnaiot foi coletada por varios grupos de Sabios (Amoraim), editada e organizada em topicos especificos. 

 

A colecao de TODAS as sugiot eh chamada de GEMARA (leia-se guemara), que significa “ensinamentos” ou ‘tradicao’, em Aramaico.

 

Enquanto a Mishna foi escrita em Hebraico Classico, a Gemara foi escrita em Aramaico.

 

A Mishna e a Gemara foram entao colocadas juntas (no mesmo livro, digamos assim). 

 

Chamamos essa juncao de TALMUD (‘ensinamento’, em Hebraico). 

 

Mishna + Gemara = TALMUD

 

Jah que ha mais sugiot do que de mishnaiot no Talmud, muitas vezes nos referimos a ele como ‘Gemara’.

 

Parece meio confuso, mas eh bem simples: nem todos os judeus falam “de acordo com o Talmud…”, muitos falam “de acordo com a Gemara…” jah que o Talmud eh composto principalmente de suguiot.

 

Agora que vc jah sabe da historia toda, a proxima vez que voce ouvir alguem dizer “A Gemara nos diz…”, voce saberah que a pessoa estah se referindo ao Talmud.

 

 

ENTENDENDO MELHOR A GEMARA

 

A Gemara (ou Talmud) trata de todos os assuntos importantes da vida, do sagrado ao profano... oracoes, feriados, agricultura, vida sexual, medicina, supersticoes, lei criminal, lei civil, supersticoes, contos etc, etc, etc.

 

A Gemara possui dois tipos de narrativa:

 

a) Halacha 
Discussoes e explicacoes sobre leis judaicas (vida pratica)

 

Nem todas as leis trazem uma solucao, muitas vezes o problema eh apresentado e discutido e entao cabe aos judeus de cada epoca decidir que opiniao seguirao… por isso eh EXTREMAMENTE importante viver em uma comunidade judaica, porque seguimos a opiniao vigente naquela comunidade.

 

Por exemplo, um homem deve pedir opiniao de sua esposa? Sim, ha esta discussao no Talmud e vaaaaarias respostas... mas a opiniao valida para nossos dias depende de cada lider judaico e sua comunidade.

 

Na minha comunidade: sim, homens pedem opiniao das esposas em TUDO e juntos acham um acordo.

 

Em algumas comunidades, homens nao pedem opiniao das esposas.

 

Em algumas comunidades, homens soh pedem opiniao das esposas em coisas simples, mas as importantes decidem sozinhos ou com outros homens.

 

Em algumas comunidades, pedem opinao das esposas em coisas corriqueiras da vida, mas nao em assuntos religiosos.

 

E assim por diante. A interpretacao de muitas sugiot depende da opiniao da MAIORIA, ou seja, da comunidade onde cada judeu pertence. Entao se voce estah fazendo teshuva ou se convertendo ao Judaismo, ESTUDE como eh o relacionamento marido-esposa no grupo judaico que te interessa.

 


b) Aggadah (ou Hagada)
Relatos e historias referente a vida de pessoas da epoca, algumas metaforas, comentarios sobre fatos biblicos, filosofia, teologia, literatura da epoca, comportamento etc. 

 

No Talmud, (geralmente) tudo o que nao eh halacha, eh aggadah. Facil, nao?

 

O proposito da Aggadah (Hagada) eh nos ensinar a interpretar ideias, etica, valores e licoes morais importantes para a vida de todos nos (vida teorica).

 

Algumas aggadot sao veridicas enquanto outras sao metaforicas… Pq o uso de metaforas? Para nos fazer pensar. Se toda a informacao fosse dada mastigadinha, nao precisariamos ter cerebro, certo? Entao os Sabios escreveram varias metaforas, para que pensassemos a respeito e aprendessemos a licao.

 

Lembra da historia da vaca que se recusava a trabalhar no Shabbat? Agadah. 

E todas essas historias bonitas, poeticas, tristes e as vezes engracadas do Talmud? Todas aggadot. Eu amo ler aggadah, sao sempre legais e nos dao uma visao bem humana da vida judaica   :)

 


 

VOLTANDO A GEMARA

Embora a Mishna raramente cite versos biblicos, a Gemara introduz quase todas as leis com um verso biblico, seja da Torah ou Tanach. 

 

 

QUEM PODE ESTUDAR GEMARA
 

Qualquer pessoa, jah que nao ha nenhum segredo lah dentro.

 

Dra. Shana Schick,  PhD em Talmud recebido pela Yeshiva University em 2011 com a tese "Negligence and Strict Liability in the Babylonian and Palestinian Talmuds: Two Competing Systems of Tort Law in the Rulings of Early Amoraim." 

Hoje ela ensina na Universidade de Haifa, onde vive feliz com seu marido e filhos.

De uma olhada: http://haifa.academia.edu/ShanaSchick 

 

 

 

COMO ESTUDAR O TALMUD?

 

Na pratica, SOH ESTUDAMOS GEMARA (TALMUD) ACOMPANHADOS de um grupo ou pelo menos de um amigo. Se a pessoa for iniciante, tem que entrar em um grupo que contenha um rabino… se a pessoa for expert (por exemplo, se jah tiver completado o Daf Yomi e tiver otimos chavrutas que tbm sao pessoas super entendidas no assunto) dai podem estudar sem a supervisao de um rabino.

 

Por que isso?

 

Por que como disse anteriormente, ha inumeras discussoes no Talmud (Gemara) e… discussoes apresentam opinioes diferentes, certo? 

 

Assim sendo, a pessoa iletrada e sem rabino pode se confundir MUITO se tentar ler o Talmud sozinha porque jamais saberah qual opiniao eh valida e qual nao eh.

 

Exemplo ficticio de uma discussao halachica do Talmud:

 

- Rabino A disse que devemos praticar a pena de morte
- Rabino B disse que a pena de morte jamais deveria ser praticada
- Rabino C disse que a pena de morte soh deveria ser praticada em casos extremos
- Rabino D discordou dos 3 e disse que se alguem deseja a pena de morte, tal pessoa deveria ser morta
- Rabino A disse que o Rabino D deveria controlar suas palavras

 

E por isso evitamos estudar o Talmud sozinhos.

 

Agora voce entendeu porque todos os videos e artigos da internet chingando o Talmud nao possuem NENHUM fundamento logico? Pois eh… alguem pode pegar qualquer verso aleatorio de uma das discussoes talmudicas e distorce-lo para seus propositos maldosos. 

 

 


QUANTO TEMPO LEVA PARA LER O TALMUD?


Primeiro, vamos ver uma foto do Talmud:

 

 


ArtScroll Schottenstein Edition - BAVLI

Tamanho :    7" x 10" (aprox. 15cm x 22cm) ou   8" x 12" (aprox. 18cm x 25cm)

Preco desta edicao completa = aproximadamente US$ 2.699,00

73 volumes (eh isso mesmo, 73 livros...)

 

Daf = pagina
Yomi = do dia (ou ‘por dia’)

 

Se lermos uma pagina do Talmud por dia, o leremos em 7 anos. 

 

Antigamente nao havia uma regra exata de como ler o Talmud, entao algumas pessoas levavam a vida inteira para estuda-lo, enquanto outras “corriam” na leitura…

 

Entao, em Rosh Hashana do ano 5684 (11 de Setembro de 1923), o Rabino Meir Shapiro inaugurou seu sistema de estudo, o qual denominou de DAF YOMI = estudar uma pagina do Talmud por dia = 2711 paginas = 7 anos.

 

 

Rabino Meir Shapiro - Criador do sistema Daf Yomi, estabeleceu a yeshiva de Chachmei Lublin Primeiro e foi o judeu ortodoxo a fazer parte do Parlamento da Polonia (Segunda Republica da Polonia, como era chamada antes da II Guerra Mundial.

 

POR QUE O DAF YOMI FOI CRIADO?
O Rav Shapiro tinha por objetivo unir todos os judeus no estudo do Talmud, pois se todos estudassem a mesma pagina no mesmo dia, ficariam mais sintonizados uns com os outros e uma infinidade de vantagens nasceria desta atitude. O daf yomi tambem deu esperancas aos judeus mais simples pois mostrou que era possivel que elas tambem lessem o Talmud (ateh entao, ler o Talmud parecia um sonho impossivel para a maioria das pessoas).

 

Eh necessario muita disciplina para completar o ciclo de daf yomi… 7 anos, 1 pagina por dia, minimo 1 hora de estudo… mas mesmo assim, todos os anos, homens e mulheres seguem esse ciclo fielmente. 

 

Qual o daf yomi de hoje? http://www.dafyomi.co.il/calendars/calendar.htm

 

Sim, ha varios sites americanos onde pessoas podem acompanhar, estudar, ler e ateh ouvir a palestra do dia… tipo…o daf yomi eh super acessivel para quem estiver mesmo a fim de estuda-lo. 

 

Mas… eh preciso compromisso!

 

Pessoalmente, eu nao estou nem perto de me sentir pronta para estudar Talmud com tamanha dedicacao. Leio livros SOBRE o Talmud, ouco palestras SOBRE o Talmud, vejo videos SOBRE o Talmud, mas... nao estudo o Talmud em si porque exigiria uma disciplina diaria tremenda. 
 


COREIA DO SUL E O TALMUD
Por algum  motivo, o estudo do Talmud se tornou muito popular entre os sul-coreanos. 


Eles simplesmente compram volumes do Talmud e leem… quando leem discussoes halachicas, discutem entre si (discussoes halachicas afiam a mente porque usam a logica) e quando acham aggadah, contam para seus filhos na mesa de jantar ou antes de dormir.

 

 


TALMUD E O PREMIO NOBEL
Para judeus religiosos, estudiosos do Talmud sao vistos com o mesmo respeito que vemos ganhadores do premio Nobel (ou ateh mais respeito!).

 

Mas eh errado pensar que soh intelectuais estudam o Talmud. O conhecimento eh aberto a todos, soh basta querer estudar e estuda-lo direito (com devido acompanhamento).

 

 

BAVLI   E   YERUSHALMI

 

Em resumo:


- Talmud Bavli: escrito na Babilonia

 

- Talmud Yerushalmi: escrito em Israel

 

Sim, ha dois Talmuds e vamos falar sobre os dois no proximo post desta serie:

 

1. qual a historia dos dois?

2. quem os escreveu e em que condicoes?

3. por que o Yerushalmi eh menor do que o Bavli?

4. por que seguimos o Bavli que foi escrito na Babilonia, se o Yerushalmi foi escrito na Terra Santa? Nao deveria ser o oposto?

5. quais as principais diferencas entre os dois?

 

 

Abaixo, algumas perguntas de uma amiga que acompanha o blog, se alguem quiser acrescentar algo ou algumas referencias, por gentileza me contacte :)

 

O TALMUD NOS TORNA MAIS TOLERANTES?
Sim. 

 

Por exemplo: 

 

Voce sabia que o Talmud discute bastante se mulheres devem usar tefilin, mas nunca bateu o martelo sobre esse assunto?

 

Voce sabia que a filha do Rei Saul, Michal, usava tefilim sem ser importunada? 

 

No Judaismo, a opiniao da maioria eh o que torna algo valido ou invalido (aprendemos  isso da histoira da escola de Yavneh). 

 

Assim sendo, jah que a mitzva de talit e tefilim sao conectadas ao tempo (tem que ser feita em horario definido), a maioria de nossos lideres decidiu que era melhor isentar as mulheres dessas mitzvot. Imagina se uma mae de 5 filhos decidisse tomar a mitzva de tefilim sobre si, serah que ela acordaria mais cedo para preparar o cafeh da manha das criancas ou as deixaria com fome ateh acabar de rezar (jah que o tefilim tem horario certo de ser usado)? Para evitar esse tipo de conflito, nao cumprimos esta mitzvah.

 

No entanto, na literatura talmudica, lemos que mulheres sao isentas de usar tefilin (Mishnah Berachot 3:3 -  Kiddushin 33b-34a; SA, OC 38:3), mas nao sao exatamente proibidas, por isso nao podemos "jogar pedras" sobre mulheres que usam este acessorio. Isso eh assunto delas com Hashem. 

 

Vemos um exemplo bem interessante de uma judia religiosa usando tefilin na historia da ‘Maiden of Ludmir’ (Virgem de Ludmir), Hannah Rachel Verbermacher que viveu no fim do seculo 19 e foi a primeira e unica mulher REBBE (rebbes sao lideres hassidicos) da Historia. 

 

Outras mulheres usaram tefilim no decorrer da historia judaica, mas foram casos isolados e na maioria das vezes, elas nunca sofreram represalias sobre isso. 

 

Muita gente pergunta: "Mulheres judias se sentem inferiores por nao usarem talit e tefilim?" 

 

Nao.

 

Nem pensamos na possibilidade de usar tefilim pois temos nossas proprias mitzvot para cumprir: challah, pureza familiar e acendimento das velas de Shabbat. Leva um bom tempo e muito estudo para cumprir estas 3 mitzvot femininas, acredite. 

 

Junte a estas 3 mitzvot femininas o tempo que levamos para:

 

concluir nossas rezas diarias, o tempo que levamos para recitar Tehilim (Salmos), cuidar da familia e da casa, trabalhar fora, guiar os filhos no ‘derech’ (“caminho” religioso), manter uma cozinha casher, tziniut, estudar, cozinhar p/ necessitados, doentes, casas em shiva, maes que tiveram bebes (sim, quem tem uma cozinha casher cozinha bastante… para si e para os outros), dar atencao a nossos maridos, preparar a casa pra Shabbat, cozinhar para os convidados de Shabbat e feriados religiosos, ler a parashah da semana 2 vezes (eh o ideal, uma vez s/ os comentarios e a segunda, com comentarios) etc, etc, etc … uau… vou parar por aqui pq… olha… mulheres religiosas TEM TANTA COISA PRA FAZER que agora voce entende porque nao pedimos para usar tefilin, certo?

 

Se nossos rabinos nos ordenassem usar tefilim hoje, a maioria de nos iria pedir para que continuassemos isentas desta mitzvah.

 

Homens tem a obrigacao de cumprir mitzvot que possuem limitacoes de tempo.
Mulheres sao isentas de todas as mitzvot com limitacao de tempo.

 

Entao... jah que o Talmud nao bate o martelo proibindo o uso de tefilim, eh melhor evitar falar mal de mulheres que o usam... e ao ve-las, em vez de sentir raiva ou  qualquer tipo de sentimento negativo, eh melhor que sigamos com nossas vidas pacificamente  porque temos muito trabalho a fazer. E assim ficamos mais tolerantes.

 

 

O paragrafo explicativo da Mishna Yoma (“sequestro” do Cohen Gadol) com interpretacao eh uma sugya (סוגיא)? 

 

Sim (apesar que nao eh a sugya original, pois fiz um resumo da informacao contida no machzor da Artscroll)

 

Cada discussao encontrada no Talmud eh uma sugya. Exemplo: discussao sobre as consequencias de lashon hara eh uma sugya, como rezar a amidah eh uma sugya, como dizer o birkat hamazon eh uma sugya…

 

O conjunto de varias discussoes eh chamado de sugyot. Assim sendo, as 3 discussoes (lashon hara, amidah e birkat hamazon) juntas, sao sugyot. A Gemara eh formada de sugyot dos mais variados assuntos.

 

 

Há ainda a interpretação das sugiot (que são feitas há anos e anos) dentro das características de cada comunidade judaica e junto ao líder desta comunidade judaica em todos os lugares do mundo? 

 

Sim! 

 

As ‘sugyot’ (discussoes) eram feitas de acordo com as necessidades de cada comunidade e a opiniao de seus lideres. 

 

Bavli e Yerushalmi possuem sugyot bem diferentes sobre os mesmos assuntos, pois enquanto os judeus da Babilonia viviam como reis, os de Israel estavam sob dominacao romana... 

 

Alem da Mishna e Gemara, foram acrescentados no Talmud Bavli (o que usamos hoje em dia) comentarios de Rashi e de outros comentaristas classicos que nos ajudam a entender melhor todas as sugyot (discussoes).

 

Depois que “fecharam” o Talmud (pararam de adicionar comentarios), as sugyot continuaram a ser interpretadas por diferentes lideres judaicos, de acordo com a necessidade de suas comunidades.

 

Por exemplo: como fazer matza?

 

Na epoca do Templo, a familia Baitus (ou Baitzu, Baitzuzi) era uma das mais ricas da epoca e ha uma discussao talmudica sobre como o chefe desta familia queria que sua matza fosse feita… ele queria uma matza decorada e perguntava se isso seria considerado casher para Pessach. 

 

Os yemenitas interpretaram as discussoes de como fazer matza de uma maneira diferente de todos os outros judeus e por isso eles fazem uma matza macia, quase como um pao pita… e esta matza macia eh totalmente valida e casher para Pessach!

 

Algumas comunidades marroquinas interpretaram as sugyot de matza de uma maneira bem curiosa e fazem uma matza menor que a nossa “bolacha quadrada” e que eh bem grossa… tipo… eh uma matza para dentes fortes, digamos assim. 

 

Judeus espanhois colocavam temperos na matza (informacao contida no livro 'A Drizzle of Honey', que fala da culinaria judaica em tempos de Inquisicao).

 

Enquanto isso, a matza Ashkenazita nao eh decorada, nao eh macia, nao eh grossa e nem temperada hahahahaha Eh bem estilao "bolacha cream cracker" mesmo.

 

Por que tantas maneiras de se fazer matza? Por que o Talmud apenas discute como fazer a matza (farinha + agua + assar rapido, antes que a massa fermente) mas nunca nos deu uma receita exata.

 

Se houvesse uma receita no Talmud, por exemplo:
 

Matza para 4 pessoas:
a) meio quilo de farinha de trigo
b) dois copos de agua
c) misture os dois ingredientes rapidamente, por exatamente 8 minutos
d) coloque para assar imediatamente a um forno de 180ºC por 10 minutos
e) sirva enquanto quente 

 

jamais teriamos essas interpretacoes diferentes da sugya (discussao) de como fazer uma matza casher para Pessach… com uma "receita certinha", o Judaismo estaria “congelado” e jamais poderia progredir, crescer, se adaptar.

 

POR ISSO ERA PROIBIDO ESCREVER A LEI ORAL, pois havia o temor de que se a escrevessemos, perderiamos a flexibilidade necessaria para desenvolvermos uma vida judaica … porem, devido as circunstancias, tivemos que escreve-la.

 

Sim, perdemos muito da flexibilidade de pensamento vista no passado, mas isso nao nos impede de crescer e expandir o Judaismo ateh os dias hoje. 

 

Como lidar com eletricidade? Inseminacao artificial? Transplante de orgaos? Poluicao do meio ambiente? Sentimentos de animais? Problemas psicologicos e psiquiatricos? Astronomia? Fisica Quantica? Teoria de Cordas? (ha discussoes astrologicas no Talmud, entao se ele fosse escrito hoje, com certeza discutiriam astronomia) etc, etc, etc.

 

Portanto, todas as discussoes (todas as sugyot juntas = Gemara) contidas no Talmud (Mishna + Gemara) nos dao um ponto de referencia sobre como lidar com questoes da vida atual.

 

 

 

 

 

 

Ainda veremos: 

Parte 3 - Bavli e Yerushalmi - Shas

4 - Yerushalmi impresso e suas edicoes contemporaneas 

5 - Como estudar uma pagina do Yerushalmi

6 - Midrash

 

Entao, qdo estivermos familiarizados com tudo, podemos partir para temas menos conhecidos:

7 - Baraita

8 - Tosefta

 

De passo em passo a gente chega lah.

 

Kol tuv!

 

 

Fim da Parte 2 

 

 

 

 

 

 

 

 

Please reload

Posts Destacados

A Review Completa de Nada Ortodoxa

May 22, 2020

1/10
Please reload

Procure por Tags
Please reload

© 2015 por Vida Pratica.