O que eh Mishna? Gemara? Talmud? Midrash? PARTE 2


Quem estuda Judaismo com certeza jah se deparou com alguns destes nomes, mas... o que eles significam? O que ensinam? Como sao estudados? Sao de acesso publico?

Vou tentar fazer um resumo, usando informacoes disponiveis no site da Aish, Jewish History, Jewish Virtual Library e de uma serie de videos infantis bem legal chamada Animated Talmud.

Se vc tiver algo a acrescentar ou perceber algum erro, eh soh me contactar via e-mail vpjudaica@gmail.com ou pelo Facebook.

Se vc quiser copiar algo deste post, eh soh me pedir.

INTRODUCAO

Alem da Lei Escrita, que eh a nossa Torah, tambem recebemos a Lei Oral, que era passada de geracao a geracao, de professores para alunos.

Moshe Rabeinu (Nosso Professor) recebeu a Lei Oral e a ensinou a Yehoshua ben Num, que a ensinou aos Zekenin (ancioes), que a ensinou aos Neviim (profetas) que viveram desde o tempo dos reis de Israel ateh a destruicao do Primeiro Templo.

Os Neviim passaram a Lei Oral aos Homens da Grande Assembleia (um conjunto de 120 Sabios que guiaram o povo durante o exilio babilonio).

Depois da era dos Homens da Grande Assembleia, coube aos Zugot, que eram 2 Grandes Sabios que tinham a responsabilidade de guiar o povo e eram os lideres do Sanhedrim, transmitir, ensinar e estudar a Lei Oral.

O primeiro membro dos Zugot era chamado de Nasi (Nasi traduz como Principe, bom... o Nasi seria o "presidente" do povo judeu, mais ou menos...), que tinha por responsabilidade de dirigir o povo e demonstrar principios de responsabilidade, harmonia, amor e paz. O segundo dos Zugot era chamado de Av Bet Din (o cabeca da Corte da Lei Judaica), pois este auxiliava aos Sabios do Sanhedrim em suas discussoes para que chegassem a uma decisao correta. Por 250 anos, 5 pares de Zugot lideraram o povo judeu e o Sanhedrim.

Os ultimos Zugot foram Hilel e Shamai. Hilel foi Nasi e Shamai, o Av Bet Din. (curiosidade: Hilel era um descendente do Rei Davi)

Como todos sabemos, os estudantes de Hilel e Shamai tinham discussoes acirradas sobre a Lei Oral que extremamente importantes para o desenvolvimento da vida judaica e adaptacao aos novos tempos. Os Sabios da epoca admitiram que todas as opinioes mereciam o mesmo nivel de respeito, entao para que nada fosse perdido, muitos estudantes das duas escolas de pensamento comecaram a decorar todas as discussoes (nao era uma missao facil, eles tinham que repetir os ensinamentos durante o dia inteiro).

Com todo este tempo, a Lei Oral se desenvolveu bastante (esta era a grande vantagem da Lei Oral, pois tinha a liberdade de crescer de acordo com as necessidades de cada geracao).

Depois da morte de Hilel e Shamaim, os ultimos Zugot, surgiram os Tannaim.

Tanna = repetidor

Tannain = repetidores

Mesmo sendo muito sabios, os Tannain eram treinados a repetir os trechos da Lei Oral que lhes eram designados. O periodo dos Tannain durou por 5 geracoes.

MISHNA

A cada geracao, havia experts em diferentes areas da Lei Oral. Por exemplo, um professor era perido nas leis de Shabbat, outro, em leis de agricultura, outro em leis civis etc. Em resumo, eles eram os responsaveis por passar de maneira completa todas as tradicoes recebidas por Moises.

Esta formula de manutencao da Lei Oral funcionou muito bem enquanto o Sanhedrin existiu e a corrente de transmissao da lei nao sofria riscos de extincao, ou seja, os professores tinham plena liberdade de passar seu conhecimento as novas geracoes de alunos.

Porem, com a destruicao do Segundo Templo, a derrota de Bar Kochba, o eminente risco de extincao do Sanhedrin e a perseguicao romana que levou a diaspora, ficou muito claro para todos que o povo Judeu ficaria por muito tempo no exilio. Assim sendo, o sistema de aprendizado baseado em transmissao oral ficou seriamente ameacado.

Vendo estes desafios, o Rabino Yehudah HaNasi (Yehuda, o Principe, que era descendente de Hilel) percebeu que a situacao representava grande risco a Lei Oral... ele viu que o Templo nao seria reconstruido em sua geracao e possivelmente em varias geracoes futuras e em meio ao caos criado pela ocupacao romana, ele decidiu que a hora de escrever a Lei Oral tinha chegado.

Embora alguns rabinos de geracoes anteriores mantivessem anotacoes escritas que resumiam parcialmente a Lei Oral, tais anotacoes eram mantidas para uso privado, em suas academias ou salas de estudo. Estas anotacoes nao estavam organizadas e nem sempre demonstravam as varias opinioes da halacha (pode haver mais de uma resposta para uma questao halachica).

Coube entao ao Rabino Yehuda HaNasi a missao monumental de juntar, editar, explicar e organizar o vasto material.

O resultado final desta versao escrita e organizada da Lei Oral foi chamada de MISHNA.

A palavra Mishna (vinda da palavra Hebraica 'shanah') significa "repeticao" porque enquanto de forma oral, os estudantes tinham que repeti-la (era a missao de vida deles, repetir, repetir, repetir) para que o conhecimento fosse passado de maneira adequada.

Maimonides nos explica em seu livro Mishne Torah: "Ele juntou todas as tradicoes, promulgacoes, interpretacoes e exposicoes de toda opiniao da Torah, seja as que vieram diretamente de Moises, nosso professor, ou que tinham sido deduzidas pelas cortes (rabinicas) de varias geracoes. Todo este material ele usou para redigir a Mishnah, que era diligentemente ensinada em publico, e desta maneira, se tornou universalmente conhecida entre o povo judeu. Copias deste trabalho foram feitas e espalhadas, para que a Lei Oral nao fosse esquecida em Israel"

A Mishna foi escrita em Hebraico antigo (classico). Seu texto eh extremamente conciso (resumido), como se fossem anotacoes pequenas de uma informacao muito maior que necessita da explicacao de um professor qualificado. Ler a Mishna eh mais ou menos como ler a "ponta do iceberg" do que seria realmente a Lei Oral.

O proposito de redigir a Mishna de uma maneira tao resumida, foi para que o laco que unem professores e alunos jamais se rompesse.

A Mishnah foi dividida em 6 segmentos basicos, ou "ordens". Depois, ela foi dividida em 63 tratados com um total de 525 capitulos. Cada um dos 6 segmentos eh nomeado de acordo com areas basicas da lei Judaica:

  • Zeraim, "sementes" lida com leis agricolas, leis referente a alimentacao e bencaos

  • Moed, "feriado" lida com rituais de Shabbat e Yom Tovim

  • Nashim, "mulheres" lida com assuntos referentes ao relacionamento entre homens e mulheres tais como casamento, divorcio etc.

  • Nezikin, "prejuizos" cobre a lei civil e criminal

  • Kodshim, "santidades" ou "coisas santas" se referem as leis do Templo

  • Taharot, "coisas puras" leis de pureza e impureza espiritual

Porem, um dos 63 tratados da Mishna nao contem lei alguma. Eh o que chamamos de Pirkei Avot (Etica dos Pais, que pode ser encontrada em todos os sidurim) que traz mensagens de profunda sabedoria no formato de ditados (e que precisam de professores para explicacao de seu conteudo).

Rabino Yehuda HaNasi terminou a Mishna cerca do ano 190 da Era Comum na cidade de Tzipori, na Galileia. Mesmo com todas as leis escritas, ainda havia a necessidade de professores qualificados para ensina-las e o mais importante, ensinar ao povo a INTERPRETA-LAS.

Abaixo, um exemplo de uma mishna nao interpretada e em seguida, sua interpretacao (interpretacao parcial, porque tem muito mais informacao sobre esse paragrafo).

Nos machzorim (machzor eh o 'sidur' que usamos em feriados religiosos, eles contem rezas especiais para a data comemorada) da Editora Artscroll, encontramos as mishnaiot (plural de mishna) do feriado e uma explicacao resumida delas. Para se ter uma explicacao completa, o leitor interessado eh aconselhado a comprar a Mishna vendida pela Artscroll.

Sim, sim, sim, caros amigos e amigas do blog... TUDO estah disponivel em Ingles. E eh por isso que voces tem que tomar MUITO, mas muito cuidado com "celebridades de Youtube" e Facebook que "ensinam" Judaismo. Qualquer individuo pode comprar uma Mishna, se tiver dinheiro pode comprar o Talmud inteiro e outros livros classicos da literatura judaica, decorar, ler na frente da camera e baixar no Youtube (na verdade, ela nem precisa comprar, pode ler na internet mesmo pois ha sites de Mishna, Talmud, etc.)... dai... as pessoas inocentes pensam que tal "professor(a)" eh uma pessoa entendida no assunto e pode se tornar vitima de... falcatrua.

Olhem bem p/ este exemplo que vou digitar abaixo: eu nao sou moreh, rebbetzin, rabina, doutora, diretora etc, etc, etc maaaaaaas falo Ingles fluentemente. Entao... seria muito facil para eu, uma pessoa leiga (assim como eh facil para pessoas leigas , que nunca pisaram em uma yeshiva ou seminario) "ensinar" Judaismo em redes sociais... entao fica o aviso: antes de seguir algum(a) "professor(a) de Youtube", cheque as credenciais da pessoa.

Eu levo isso MUITO a serio e sempre que vou dar uma opiniao pessoal dentro de algum tema religioso, sempre comeco com a palavra ACHO. Se for opiniao escrita, eu escrevo ACHO em maiuscula mesmo... se for opiniao falada, eu enfatizo a palavra AAAAAAAAACHO p/ que a pessoa que me ouve tenha plena liberdade de discordar. Se o tema for religioso, mas do tipo que nao requer opinao, entao sempre passo a referencia.

Ok, vamos a mishna:

MISHNA SEM INTERPRETACAO

Mishna Yoma – Capitulo 1 (paragrafo 1)

‘Sete dias antes de Yom Kippur eles sequestravam o Cohen Gadol de sua casa e o levavam para a sala dos oficiais, e eles preparavam outro cohen para substitui-lo, caso o primeiro se tornasse inqualificado. Rabino Yehuda diz: Eles tambem preparam outra esposa para ele, em caso que a sua morra, porque foi dito: E ele deverah redimir a si mesmo e a sua casa; ‘sua casa’ – que eh, sua esposa. Eles lhe disseram: Se for assim, nao haverah fim para este problema.’

MISHNA COM INTERPRETACAO

Jah que o servico religioso de Yom Kippur soh podia ser dirigido pelo Cohen Gadol (no Templo), o tratado Mishna Yoma (que se refere a Yom Kippur) descreve algumas preparacoes necessarias que deveriam ser feitas antes do grande dia.

O temor de tamei (impureza) que poderia desqualificar o Kohen Gadol fez com que este e lideres religiosos da epoca desenvolvessem maneiras de protege-lo deste risco.

Se o Kohen Gadol morasse com sua esposa nos dias antes de Yom Kippur, havia a rarissima possibilidade dele contrair tumah (impureza), entao ele era retirado de sua casa. (NOTA PESSOAL: havia regras validas naquela epoca que nao sao seguidas hoje em dia. E de acordo com as regras daquela epoca, havia certas circunstancias que impurificavam a pessoa por 7 dias)

Mas mesmo isolado de sua familia, ele poderia ainda se tornar ‘tamei’ (impuro) 1 dia antes de Yom Kippur, caso entrassem em contato com algum objeto considerado impuro, entre outras circunstancias. Caso o Kohen se tornasse impuro (atraves de contato com mortos, etc, etc, etc) na noite ou nas horas que antecedem Yom Kippur, ele ficaria impuro ateh a noite do dia seguinte e precisaria mergulhar em uma mikva para se purificar… e nao poderia dirigir o servico religioso de Yom Kippur (regras da epoca… nao pense que sao validas ateh hoje, please).

Por isso ele era retirado de sua casa e mantido na area do Templo por 7 dias. Nao havia “sequestro” algum… era simplesmente um ritual, o Kohen e sua familia (assim como TODO MUNDO) sabia que ele teria de ser levado a esta casa na area do Templo e ficar lah ateh chegar a hora de iniciar os servicos religiosos de Yom Kippur.

No entanto, o Kohen nao tinha que ficar o tempo todo dentro desta sala, ele podia sair dela por pequenos periodos de tempo.

Quem eram os oficiais mencionados no texto? Eh uma historia longa: