© 2015 por Vida Pratica.  

Entenda o 'Acordo do Século' de Trump

Hoje, 28 de Janeiro de 2020, Presidente Donald Trump revelou ao mundo o Acordo do Século, que visa a paz entre Israel e liderança árabe que se auto-denomina palestina. 

 

Depois de três anos de planejamento, o Acordo do Século trouxe os seguintes pontos que traduzi do jornal Jerusalem Post (https://www.jpost.com/Arab-Israeli-Conflict/The-Deal-of-the-Century-What-are-its-key-points-615680 , https://www.jpost.com/Arab-Israeli-Conflict/US-President-Donald-Trump-presents-his-Deal-of-the-Century-615690):

 

1. Fronteiras: o plano de Trump apresenta um mapa de quais serão as novas fronteiras de Israel, caso o plano seja aprovado integralmente. Israel reterá 20% da Cisjordânia e perderá uma pequena quantidade de terra no Negev, perto da fronteira entre Gaza e Egito. Os palestinos terão um caminho para seu próprio estado na grande maioria do território da Cisjordânia, enquanto Israel manterá o controle de todas as fronteiras. É a primeira vez que um presidente dos EUA fornece um mapa detalhado desse tipo.

 

Mapa do 'Acordo do Século'. Caso aprovado, a área verde será o Estado Palestino

 

 Mapa de Israel com dois estados, o Judeu (em beige) e o Palestino (em verde)

 

 

2. Jerusalém: os palestinos terão uma capital de seu estado no leste de Jerusalém, com base nos bairros Kafr Akab, Abu Dis e metade de Shuafat, que estão fora da barreira de segurança israelense. Caso contrário, Trump disse que Jerusalém permanecerá indivisível, como a capital de Israel.

 

 

3. Assentamentos: Israel manterá o Vale do Jordão e todos os assentamentos israelenses na Cisjordânia na definição mais ampla possível, significando um não as fronteiras municipais de cada assentamento, e sim aos seus perímetros de segurança. Isso também inclui 15 assentamentos isolados, que serão anexados dentro de um eventual estado palestino. Dentro desses assentamentos, Israel não poderá construir pelos próximos quatro anos. O exército de Israel terá acesso a esses 15 assentamentos isolados. Para que a parte do plano entre em vigor, Israel terá que tomar medidas para aplicar soberania aos assentamentos, o que o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu disse que planeja fazer na próxima reunião no próximo domingo.

 

 

4. Segurança: Israel estará no controle da segurança desde o rio Jordão até o mar Mediterrâneo. A FDI (Força de Defesa de Israel = exército israelense) não terão que sair da Cisjordânia. Nenhuma mudança na abordagem de Israel à Judéia e Samaria seria necessária.

 

 

5. Estado palestino: O plano não inclui o reconhecimento imediato de um estado palestino; ao contrário, espera que a vontade de Israel crie um caminho para o estado palestino com base em território específico, que é cerca de 70% da Judéia e Samaria, incluindo as áreas A e B e partes da área C. O estado Palestino só passará a existir em quatro anos se os palestinos aceitarem o plano, se a Autoridade Palestina parar de pagar terroristas e incitar o terrorismo e se o Hamas e a Jihad Islâmica derrubarem suas armas. Além disso, o plano americano pede aos palestinos que abandonem a corrupção, respeitem os direitos humanos, a liberdade de religião e a imprensa livre, para que não tenham um estado falido. Se essas condições forem cumpridas, os EUA reconhecerão um estado palestino e implementarão um plano econômico massivo para ajudá-lo (os EUA dariam 50 BILHÕES de dólares como ajuda econômica ao estado Palestino).

 

 

6. Refugiados: Um número limitado de refugiados palestinos e seus descendentes (que moram na Jordânia e outros países) serão permitidos no estado palestino. Ninguém entrará em Israel.

 

 

7. Triângulo: O plano deixa aberta a possibilidade de Israel trocar a área conhecida como "Triângulo" - que consiste em Kafr Kara, Arara, Baka al-Gharbiya, Umm el-Fahm e mais - no futuro Estado palestino. De acordo com o plano, "a Visão contempla a possibilidade, mediante acordo das partes, de que as fronteiras de Israel sejam redesenhadas de modo que as Comunidades do Triângulo se tornem parte do Estado da Palestina".

 

 

“Não estamos aqui para dar palestras - não estamos aqui para dizer às outras pessoas como viver, o que fazer, quem ser ou como adorar. Em vez disso, estamos aqui para oferecer parceria - com base em interesses e valores compartilhados - para buscar um futuro melhor para todos nós ", afirmou o Presidente Donald Trump ao revelar uma visão que a Casa Branca afirmou ser o" plano mais sério, realista e detalhado " já apresentado, um que poderia tornar israelenses, palestinos e a região mais seguros e mais prósperos ".


O plano, disse Trump, tem o apoio do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu e de seu principal rival político, o chefe azul e branco Benny Gantz.


"Se [os palestinos] estão genuinamente preparados para fazer as pazes com o Estado judeu", disse Netanyahu em suas declarações na cerimônia de inauguração: "Israel estará preparado para negociar a paz imediatamente".

 

Trump disse que os Estados Unidos reconhecerão a soberania israelense sobre qualquer terra que "minha visão for parte do Estado de Israel" e exigirá que os palestinos reconheçam Israel como o estado judeu e concordem em resolver o problema dos refugiados fora de Israel .

 

O presidente explicou que o plano "mais que dobrará o território palestino ... Nenhum palestino será arrancado de suas casas".


O plano inclui o uso e o gerenciamento palestinos de instalações nos portos de Haifa e Ashdod, o desenvolvimento palestino de uma área de turismo na costa norte do Mar Morto e a continuidade da atividade agrícola palestina no vale do Jordão. Por fim, o plano prevê "ligações de transporte modernas e eficientes" através do futuro estado palestino, incluindo Gaza.

 

"Os locais sagrados de Jerusalém devem permanecer abertos e disponíveis para adoradores pacíficos e turistas de todas as religiões", afirma o plano.

 

"Pessoas de todas as religiões poderão orar no Monte do Templo / Haram al-Sharif, de uma maneira que respeite totalmente sua religião, levando em consideração os horários das orações e feriados de cada religião, bem como outros fatores religiosos. "


O presidente disse que se os palestinos optarem por aceitar o plano, cerca de US $ 50 bilhões serão injetados neste novo estado palestino.

 

Trump vem aproximando inimigos históricos da região e suas ações estão promovendo relações normalizadas entre Israel e seus vizinhos. Na recepção, embaixadores dos Emirados Árabes Unidos, Omã e Bahrein estavam presentes.


A presença deles na cerimônia de apresentação do plano foi considerada um passo significativo e um sinal de que os países apóiam o plano recusado pelo presidente palestino Mahmoud Abbas.

 

O presidente deixou claro que, para a solução de dois estados, “não haverá risco de segurança incremental para o Estado de Israel.

 

Especificamente, o plano prevê um estado palestino desmilitarizado que vive pacificamente ao lado de Israel, mantendo Israel a responsabilidade pela segurança a oeste do rio Jordão. Segundo a visão de Trump, com o tempo, os palestinos trabalharão com os EUA e Israel para assumir mais responsabilidades de segurança.

 

Netanyahu concordou com um congelamento de terras por quatro anos para garantir a possibilidade de uma solução de dois estados.


O partido Azul e Branco, representado por Benny Gantz (rival de Netanyahu nas próximas eleições israelenses), também respondeu ao plano, dizendo: "O Plano de Paz do Presidente Trump fornece uma base forte e viável para avançar um acordo de paz com os palestinos, preservando os acordos existentes entre Israel e Jordânia e Egito, e permitindo sua expansão para outros países da região.

 

 

 Presidente Donald Trump, Conselheiro Jared Kushner e PM Benjamin Netanyahu

 

Pessoalmente, eu acho que Trump e Jared Kushner (principal conselheiro do Presidente) merecem um Prêmio Nobel por darem iniciativa a esse plano. Porém, não creio que irá sair do papel. É de conhecimento público que a liderança palestina é mais corrupta que nossos políticos brasileiros... e eles jamais concordarão em desistir do seu dinheiro fácil e arrumarão todas as desculpas possíveis, assim como incitarão seu povo a usar de violência para continuar no poder.

 

Boa sorte, Trump! 

 

 

Kol tov,

 

Esther

Please reload

Posts Destacados

O Que é um Rabino? O Que é Semicha?

October 21, 2018

1/10
Please reload

Procure por Tags