O Missionário que fez Aliá e Tinha uma Yeshiva




Saiba tudo sobre Michael Elkohen e a turbulência que ele causou no mundo judaico após enganar Rabinos, Agência Judaica e a comunidade haredi israelense por mais de 15 anos.


EU TRADUZI 99% DO TEXTO ABAIXO, poucas palavras são de minha autoria. Deixo os links que usei no fim do post.


EM PRIMEIRO LUGAR = Michal Elkohen NUNCA SE CONVERTEU AO JUDAÍSMO. Mantenha em mente que missionários que fingem ser judeus ortodoxos chegam em comunidades judaicas se apresentando como judeus de nascimento. Sempre. Isso facilita o trabalho deles.


Se o tamanho da fonte usada para escrever este post for muito pequena, clique em CONTROL e na tecla + ao mesmo tempo para aumentar a tela.



QUEM É MICHAEL ELKOHEN?

Michael Elkohen, 42, cujo nome verdadeiro de Michael Thomas Elk, é filho de William Thomas Elk e Patricia Singer Baric, que é filha de Shirley Gertise, filha de Bessie Knowles, que foi enterrada em 1956 no cemitério Batista de Salem, em Nova Jersey.


William Thomas Elk, pai de Michael, foi um residente do condado de Salem, em Nova Jersey e foi por toda vida membro da Igreja Menonita da Amizade em Carneys Point, de acordo com um obituário publicado em 2006. O pai de William Thomas Elk era Carl Elk, nascido no condado de Salem em 1913, e seu pai era George Elk, que também nasceu em Nova Jersey em aproximadamente 1865.


Em entrevista ao jornal Jewish Chronicle, Patricia Singer Baric, mãe de Michael, disse que "de uma coisa ela tinha certeza: nem ela nem o pai de Elkohen - o veterano da Marinha William Thomas Elk, que morreu aos 60 anos em 2006 e cujo túmulo é coberto por um crucifixo - eram judeus.


“Sou metodista”, disse ela. “Não éramos realmente uma família muito religiosa quando Michael era jovem. Eu cresci na igreja, mas não ia frequentemente.O pai de Michael não era muito rigoroso como menonita.” Quando questionada se poderia haver alguma verdade nas afirmações de seu filho sobre a herança judaica, ela simplesmente respondeu: "Não." Refletindo sobre as escolhas de seu filho que levaram às acusações, a Sra. Baric balançou a cabeça. “Não foi assim que ele foi criado”, disse ela. “Eu apenas pensei que seus valores e moral seriam muito diferentes.”


Patricia Baric, 69, mãe de Michal "Elkohen". Crédito da imagem = Jewish Chronicle https://www.thejc.com/exclusive-unmasked-the-christian-missionary-who-went-undercover-as-an-orthodox-rabbi-1.516346




Nascido em 1978 em Salem, Nova Jersey, "Michael Elkohen" cresceu em Penns Grove, uma cidade da classe trabalhadora com uma população de cerca de 5.000 habitantes e pelo menos 13 igrejas - mas nenhuma sinagoga.



Michael Elk se formou na Eastern University, uma faculdade cristã particular, em 2001

Crédito da imagem = Jewish Chronicle


Alan Brill, professor de Estudos Judaico-Cristãos na Seton Hall University, amigo de Michael, disse que Michael Elk sempre falava de kaballah, misticismo e apresentava amplo conhecimento das diferenças entre grupos judaicos e personalidades religiosas importantes.


Chegando em Israel, Elk começou a ter aulas na escola de Jiu Jitsu ATOS, que é um estúdio de artes marciais em Jerusalém conhecido por seus laços com o Judaísmo Messiânico, cujos adeptos se consideram judeus que aceitam a Cristo como seu salvador. Elk subiu rapidamente na hierarquia da escola e se tornou um instrutor, embora não fosse particularmente adepto do esporte, de acordo com um aluno que falou sob condição de anonimato.




RABINO MICHAEL

Uma coisa que eu, Esther, sempre reclamei, é da fragilidade desses cursos de semicha online.


Qualquer perito em pilantragem pode falsificar documentos, fazer um curso desses, tirar semicha e tirar proveito depois. E foi exatamente isso que Michael Elkohen fez. Ele fez um "curso de rabino" pelo site da yeshiva online Yeshivas Chonen Daas, tirou semicha em 2003 e... virou "Rabino Michael". Após, ele usou o título de rabino para aprontar 1001 pilantragens no mundo judaico. Rabbi Daniel Channen, o rosh yeshiva, revogou a semicha de Elkohen recentemente, depois de descobrir que ele não era judeu.


Em uma entrevista em vídeo de 2011 gravada para Morningstar Ministries (Ministério Estrela da Manhã, localizada na Carolina do Norte), Elkohen, vestido em trajes ultraortodoxos e se apresentando como "Rabino Michael", ora para que Jesus "desperte o ciúme do povo judeu" e "os traga de volta para você (Jesus) mais uma vez".


Você pode ver uma das entrevistas de Michael Elkohen para o Ministério Estrela da Manhã aqui, note que ele se apresenta como "Rabino Michael": https://www.youtube.com/watch?v=8N6sPqFBt3A&t=1s


Confrontado em 2014 pela organização Yad L'achim (https://yadlachim.org/) que faz monitoramento de missionários em Israel, Elkohen confessou trabalhar como missionário que queria converter judeus ao cristianismo e que recebia US$500 por mês do Morningstar Ministries (Ministério Estrela da Manhã), mas prometeu parar. Mas ele e sua família se mudaram para o bairro de French Hill em Jerusalém e silenciosamente continuaram seu trabalho missionário.


Segundo o jornal Jerusalem Post, em 2014 Elkohen morava no bairro de Nachlaot e estudava na yeshiva Beit El. Eu desconfio que essa é a yeshiva para cabalistas também conhecida como Midrash Hasidim e Yeshivat haMekubalim (A Yeshiva dos Cabalistas), que foi fundada aprox. 250 anos atrás. Há uma outra yeshiva Beit El em Jerusalém, mas é dati (religiosa sionista), mas ser dati não era a parada de Michael... ele se apresentava como cabalista, então o mais provável é que ele frequentou essa yeshiva que também é chamada de Midrash Hasidim e Yeshivat haMekubalim.


Michael Elkohen em 2009, junto com um grupo de rabinos e cabalistas, voando sobre Israel, tocando o shofar e trombetas, rezando para o fim da gripe suína

Fonte = VozInNeias = https://vinnews.com/2009/08/11/israel-flying-rabbis-fight-swine-flu-with-prayer-shofar/


Notem que Michael Elkohen se apresentava como CABALISTA SEFARADITA, PRIMO DO BABA SALI E DESCENDENTE DO ARIZAL (R. Yitzhak Luria) E AFIRMAVA QUE A FAMÍLIA DELE VEIO DO MARROCOS PARA OS EUA. Isso é uma mentira , pois não houve imigração judaica marroquina para os EUA em meados do século 19, quando o ancestral de Michael, George Elk, nasceu.


Os cinco filhos de Elkohen frequentaram escolas ultraortodoxas e ele trabalhou como escriba, rabino e mohel, realizando circuncisões, pidyion haben, cerimônias religiosas diversas e escrevendo pergaminhos religiosos, tefilin, mezuzas, etc etc etc. Ele alegou ser um "kohen", um descendente de Aarão, o sumo sacerdote bíblico, e com isso, tirava vantagem de todos que acreditaram nele.





COMO ERA O TRABALHO MISSIONÁRIO DELE?

"Ele é o líder de uma nova variedade de cristãos infiltrados na comunidade ortodoxa que imitam perfeitamente a vida de judeus muito religiosos. Ele ensina tudo aos missionários, desde como pronunciar palavras corretamente, como se vestir, até complexidades da lei judaica ... Michael tem alunos e seguidores online por toda parte.", disse Shannon Nuszen, fundadora da organização Beyneynu - https://www.beyneynu.com/ - que monitora atividade missionária em Israel.


O tempo todo, ele estava trabalhando para coordenar o trabalho missionário em Israel, de acordo com os grupos de vigilância. Enquanto vivia como rabino, Elkohen escreveu um livro e postagens anônimas em um blog sobre seu trabalho como evangelista disfarçado, de acordo com o Jerusalem Post.


Shannon Nuszen estima que existam cerca de 30.000 missionários em Israel, 300 organizações voltadas para a evangelização de judeus e 200 sites dedicados a convertê-los.





A YESHIVA DE MICHAEL ELKOHEN

“Ele dirigiu uma yeshiva para judeus messiânicos, estava dando semicha [ordenação rabínica] para judeus messiânicos e conduzindo casamentos em comunidades messiânicas em Israel e nos Estados Unidos”, disse Shannon Nuszen.


O nome da "yeshiva" missionária de Michal Elkohen era Yeshivat Yarim Ha’am, localizada em Jerusalém.


Esta yeshiva estava disseminando silenciosamente uma versão "judaizada" do cristianismo e ordenando "rabinos" cristãos para espalhar ainda mais o evangelho.




COMO TUDO COMEÇOU?

De acordo com entrevista concedida pela primeira esposa de Michael, Crystal Tracy, a caminhada de Michael rumo ao Judaísmo começou por volta do tempo que ele se formou na faculdade.


Falando de sua casa em Maryland, a Sra. Tracy, agora com 42 anos, descreveu como ela foi sugada para o mundo de Elkohen.


“Devo começar dizendo que agora percebo que ele era muito manipulador e fiz algumas escolhas que não foram as melhores por causa de seu envolvimento”, disse ela ao jornal Jewish Chronicle. "Eu tendia a acreditar em tudo o que ele me dizia." Desde o início, ela lembrou, Elkohen se identificou como judeu. “Michael jurou que seus pais eram judeus e frequentavam a sinagoga quando era criança”, disse ela.


“Ele sempre disse que era judeu, mas era cristão. Ficamos noivos no segundo ano da faculdade e íamos à sinagoga e à igreja ao mesmo tempo, ele dizia que queria ter mais contato com suas raízes judaicas ”.


Após o noivado, Elkohen começou a frequentar uma sinagoga Chabad, trazendo a Sra. Tracy junto.


“Foi estranho porque eu não era judia e as pessoas na sinagoga não sabiam que éramos noivos”, disse ela.


Depois de algumas pesquisas genealógicas online, Elkohen a convenceu - erroneamente - de que ela tinha ascendência judaica, disse ela.


“Eu sou o holandesa da Pensilvânia. É uma comunidade não judia muito homogênea."


“Estávamos ambos vivendo como judeus naquele ponto: mikveh, cobertura para a cabeça, carne e leite completamente separados, comida casher. Ele era muito devoto em sua observância religiosa, mas não era uma pessoa muito honesta.


Eles se casaram em 2001, e o casame