O Missionário que fez Aliá e Tinha uma Yeshiva




Saiba tudo sobre Michael Elkohen e a turbulência que ele causou no mundo judaico após enganar Rabinos, Agência Judaica e a comunidade haredi israelense por mais de 15 anos.


EU TRADUZI 99% DO TEXTO ABAIXO, poucas palavras são de minha autoria. Deixo os links que usei no fim do post.


EM PRIMEIRO LUGAR = Michal Elkohen NUNCA SE CONVERTEU AO JUDAÍSMO. Mantenha em mente que missionários que fingem ser judeus ortodoxos chegam em comunidades judaicas se apresentando como judeus de nascimento. Sempre. Isso facilita o trabalho deles.


Se o tamanho da fonte usada para escrever este post for muito pequena, clique em CONTROL e na tecla + ao mesmo tempo para aumentar a tela.



QUEM É MICHAEL ELKOHEN?

Michael Elkohen, 42, cujo nome verdadeiro de Michael Thomas Elk, é filho de William Thomas Elk e Patricia Singer Baric, que é filha de Shirley Gertise, filha de Bessie Knowles, que foi enterrada em 1956 no cemitério Batista de Salem, em Nova Jersey.


William Thomas Elk, pai de Michael, foi um residente do condado de Salem, em Nova Jersey e foi por toda vida membro da Igreja Menonita da Amizade em Carneys Point, de acordo com um obituário publicado em 2006. O pai de William Thomas Elk era Carl Elk, nascido no condado de Salem em 1913, e seu pai era George Elk, que também nasceu em Nova Jersey em aproximadamente 1865.


Em entrevista ao jornal Jewish Chronicle, Patricia Singer Baric, mãe de Michael, disse que "de uma coisa ela tinha certeza: nem ela nem o pai de Elkohen - o veterano da Marinha William Thomas Elk, que morreu aos 60 anos em 2006 e cujo túmulo é coberto por um crucifixo - eram judeus.


“Sou metodista”, disse ela. “Não éramos realmente uma família muito religiosa quando Michael era jovem. Eu cresci na igreja, mas não ia frequentemente.O pai de Michael não era muito rigoroso como menonita.” Quando questionada se poderia haver alguma verdade nas afirmações de seu filho sobre a herança judaica, ela simplesmente respondeu: "Não." Refletindo sobre as escolhas de seu filho que levaram às acusações, a Sra. Baric balançou a cabeça. “Não foi assim que ele foi criado”, disse ela. “Eu apenas pensei que seus valores e moral seriam muito diferentes.”


Patricia Baric, 69, mãe de Michal "Elkohen". Crédito da imagem = Jewish Chronicle https://www.thejc.com/exclusive-unmasked-the-christian-missionary-who-went-undercover-as-an-orthodox-rabbi-1.516346




Nascido em 1978 em Salem, Nova Jersey, "Michael Elkohen" cresceu em Penns Grove, uma cidade da classe trabalhadora com uma população de cerca de 5.000 habitantes e pelo menos 13 igrejas - mas nenhuma sinagoga.



Michael Elk se formou na Eastern University, uma faculdade cristã particular, em 2001

Crédito da imagem = Jewish Chronicle


Alan Brill, professor de Estudos Judaico-Cristãos na Seton Hall University, amigo de Michael, disse que Michael Elk sempre falava de kaballah, misticismo e apresentava amplo conhecimento das diferenças entre grupos judaicos e personalidades religiosas importantes.


Chegando em Israel, Elk começou a ter aulas na escola de Jiu Jitsu ATOS, que é um estúdio de artes marciais em Jerusalém conhecido por seus laços com o Judaísmo Messiânico, cujos adeptos se consideram judeus que aceitam a Cristo como seu salvador. Elk subiu rapidamente na hierarquia da escola e se tornou um instrutor, embora não fosse particularmente adepto do esporte, de acordo com um aluno que falou sob condição de anonimato.




RABINO MICHAEL

Uma coisa que eu, Esther, sempre reclamei, é da fragilidade desses cursos de semicha online.


Qualquer perito em pilantragem pode falsificar documentos, fazer um curso desses, tirar semicha e tirar proveito depois. E foi exatamente isso que Michael Elkohen fez. Ele fez um "curso de rabino" pelo site da yeshiva online Yeshivas Chonen Daas, tirou semicha em 2003 e... virou "Rabino Michael". Após, ele usou o título de rabino para aprontar 1001 pilantragens no mundo judaico. Rabbi Daniel Channen, o rosh yeshiva, revogou a semicha de Elkohen recentemente, depois de descobrir que ele não era judeu.


Em uma entrevista em vídeo de 2011 gravada para Morningstar Ministries (Ministério Estrela da Manhã, localizada na Carolina do Norte), Elkohen, vestido em trajes ultraortodoxos e se apresentando como "Rabino Michael", ora para que Jesus "desperte o ciúme do povo judeu" e "os traga de volta para você (Jesus) mais uma vez".


Você pode ver uma das entrevistas de Michael Elkohen para o Ministério Estrela da Manhã aqui, note que ele se apresenta como "Rabino Michael": https://www.youtube.com/watch?v=8N6sPqFBt3A&t=1s


Confrontado em 2014 pela organização Yad L'achim (https://yadlachim.org/) que faz monitoramento de missionários em Israel, Elkohen confessou trabalhar como missionário que queria converter judeus ao cristianismo e que recebia US$500 por mês do Morningstar Ministries (Ministério Estrela da Manhã), mas prometeu parar. Mas ele e sua família se mudaram para o bairro de French Hill em Jerusalém e silenciosamente continuaram seu trabalho missionário.


Segundo o jornal Jerusalem Post, em 2014 Elkohen morava no bairro de Nachlaot e estudava na yeshiva Beit El. Eu desconfio que essa é a yeshiva para cabalistas também conhecida como Midrash Hasidim e Yeshivat haMekubalim (A Yeshiva dos Cabalistas), que foi fundada aprox. 250 anos atrás. Há uma outra yeshiva Beit El em Jerusalém, mas é dati (religiosa sionista), mas ser dati não era a parada de Michael... ele se apresentava como cabalista, então o mais provável é que ele frequentou essa yeshiva que também é chamada de Midrash Hasidim e Yeshivat haMekubalim.


Michael Elkohen em 2009, junto com um grupo de rabinos e cabalistas, voando sobre Israel, tocando o shofar e trombetas, rezando para o fim da gripe suína

Fonte = VozInNeias = https://vinnews.com/2009/08/11/israel-flying-rabbis-fight-swine-flu-with-prayer-shofar/


Notem que Michael Elkohen se apresentava como CABALISTA SEFARADITA, PRIMO DO BABA SALI E DESCENDENTE DO ARIZAL (R. Yitzhak Luria) E AFIRMAVA QUE A FAMÍLIA DELE VEIO DO MARROCOS PARA OS EUA. Isso é uma mentira , pois não houve imigração judaica marroquina para os EUA em meados do século 19, quando o ancestral de Michael, George Elk, nasceu.


Os cinco filhos de Elkohen frequentaram escolas ultraortodoxas e ele trabalhou como escriba, rabino e mohel, realizando circuncisões, pidyion haben, cerimônias religiosas diversas e escrevendo pergaminhos religiosos, tefilin, mezuzas, etc etc etc. Ele alegou ser um "kohen", um descendente de Aarão, o sumo sacerdote bíblico, e com isso, tirava vantagem de todos que acreditaram nele.





COMO ERA O TRABALHO MISSIONÁRIO DELE?

"Ele é o líder de uma nova variedade de cristãos infiltrados na comunidade ortodoxa que imitam perfeitamente a vida de judeus muito religiosos. Ele ensina tudo aos missionários, desde como pronunciar palavras corretamente, como se vestir, até complexidades da lei judaica ... Michael tem alunos e seguidores online por toda parte.", disse Shannon Nuszen, fundadora da organização Beyneynu - https://www.beyneynu.com/ - que monitora atividade missionária em Israel.


O tempo todo, ele estava trabalhando para coordenar o trabalho missionário em Israel, de acordo com os grupos de vigilância. Enquanto vivia como rabino, Elkohen escreveu um livro e postagens anônimas em um blog sobre seu trabalho como evangelista disfarçado, de acordo com o Jerusalem Post.


Shannon Nuszen estima que existam cerca de 30.000 missionários em Israel, 300 organizações voltadas para a evangelização de judeus e 200 sites dedicados a convertê-los.





A YESHIVA DE MICHAEL ELKOHEN

“Ele dirigiu uma yeshiva para judeus messiânicos, estava dando semicha [ordenação rabínica] para judeus messiânicos e conduzindo casamentos em comunidades messiânicas em Israel e nos Estados Unidos”, disse Shannon Nuszen.


O nome da "yeshiva" missionária de Michal Elkohen era Yeshivat Yarim Ha’am, localizada em Jerusalém.


Esta yeshiva estava disseminando silenciosamente uma versão "judaizada" do cristianismo e ordenando "rabinos" cristãos para espalhar ainda mais o evangelho.




COMO TUDO COMEÇOU?

De acordo com entrevista concedida pela primeira esposa de Michael, Crystal Tracy, a caminhada de Michael rumo ao Judaísmo começou por volta do tempo que ele se formou na faculdade.


Falando de sua casa em Maryland, a Sra. Tracy, agora com 42 anos, descreveu como ela foi sugada para o mundo de Elkohen.


“Devo começar dizendo que agora percebo que ele era muito manipulador e fiz algumas escolhas que não foram as melhores por causa de seu envolvimento”, disse ela ao jornal Jewish Chronicle. "Eu tendia a acreditar em tudo o que ele me dizia." Desde o início, ela lembrou, Elkohen se identificou como judeu. “Michael jurou que seus pais eram judeus e frequentavam a sinagoga quando era criança”, disse ela.


“Ele sempre disse que era judeu, mas era cristão. Ficamos noivos no segundo ano da faculdade e íamos à sinagoga e à igreja ao mesmo tempo, ele dizia que queria ter mais contato com suas raízes judaicas ”.


Após o noivado, Elkohen começou a frequentar uma sinagoga Chabad, trazendo a Sra. Tracy junto.


“Foi estranho porque eu não era judia e as pessoas na sinagoga não sabiam que éramos noivos”, disse ela.


Depois de algumas pesquisas genealógicas online, Elkohen a convenceu - erroneamente - de que ela tinha ascendência judaica, disse ela.


“Eu sou o holandesa da Pensilvânia. É uma comunidade não judia muito homogênea."


“Estávamos ambos vivendo como judeus naquele ponto: mikveh, cobertura para a cabeça, carne e leite completamente separados, comida casher. Ele era muito devoto em sua observância religiosa, mas não era uma pessoa muito honesta.


Eles se casaram em 2001, e o casamento durou três anos.

Michael "Elkohen", segundo a partir da esquerda, casa-se com sua primeira esposa, Crystal, em 2001, com uma chupá visível ao fundo - Crédito da imagem = Jewish Chronicle



“Ele usou a Bíblia para me convencer de que eu deveria ficar com ele na primeira vez que terminei com ele”, disse Tracy. “Quando ele foi demitido (de um emprego onde supervisionava cashrut de um estabelecimento chamado Safeway), isso me tirou do sério. Foi quando percebi que uma vida ortodoxa não é sustentável para mim.


"Eu disse a ele que não queria mais ser ortodoxa, então ele me acusou de traí-lo."


NOTA DA ESTHER: NÃO FICOU CLARO NOS ARTIGOS DO JEWISH CHRONICLE SE O CASAMENTO DE MICHAEL E CRYSTAL FOI EM UMA IGREJA MESSIÂNICA OU EM UMA SINAGOGA DO CHABAD. NINGUÉM MENCIONA EM OUTRAS MATÉRIAS ESCRITAS SOBRE ELE, ONDE EXATAMENTE ELE SE CASOU PELA PRIMEIRA E SEGUNDA VEZ. Mas deixo claro que nos EUA, as sinagogas ficam de portas abertas para a rua e qualquer casal pode entrar e falar que é judeu... ninguém vai desconfiar do contrário, judeus americanos são deveeeeeeras inocentes nesse assunto. Pode ter sido que Michael e Crystal se casaram em uma igreja e posteriormente foram a sinagoga se apresentando como um casal ortodoxo.


“Ele continuou com a MorningStar depois do divórcio”, ela lembrou. “Eles têm muito a ver com a conversão dos judeus para trazer o fim dos tempos. Eu ouvi isso o tempo todo. ”


Elkohen saltou de emprego em emprego, ao mesmo tempo trabalhando em uma escola particular judaica e ensinando artes marciais para crianças.


Em 2003, ele completou um curso online para obter semicha - ordenação rabínica - que foi fornecido por Yeshivas Chonen Daas em Ramat Beit Shemesh. (NOTA DA ESTHER = NOVAMENTE RECLAMO DA FRAGILIDADE DE CURSOS DE SEMICHA ONLINE, neste caso do Elkohen, a yeshiva online pediu apenas carta de referência de algum rabino que o conhecia e nenhuma prova de que ele era realmente judeu... como ele e a esposa frequentavam um Chabad, é óbvio que o rabino da sinagoga deu a carta de referência, pois acreditava que Michael era mesmo judeu).


O casal se divorciou em 2004 e Elk lutou contra o alcoolismo. Mas no ano seguinte, ele se casou com outra mulher não judia, Amanda Core, cujo pai dirigia uma revista de comércio madeireiro. Mais tarde, ela admitiu para amigos que havia crescido em uma fazenda de árvores de Natal.


Um ano depois, o casal mudou-se para Israel, mudando seus sobrenomes para Michael e Amanda Elkohen.



Michael Elkohen, à direita, e sua segunda esposa Amanda Elkohen, à esquerda, que também se fez passar por judia, no segundo casamento de sua mãe Patricia - Fonte da imagem = The Jewish Chronicle



O jornal Jewish Chronicle entende que a ALIÁ, ou seja, cidadania israelense foi concedida a Michael e Amanda com base em dois documentos: a semicha de Michal, que já foi revogada, e os documentos religiosos de divórcio de seu primeiro casamento - que havia sido concedido sem prova de suas raízes judaicas.



COMO ELES CONSEGUIRAM FAZER ALIÁ?

Essa foi uma cartada de pilantra-mestre...conseguir passar a perna na Agência Judaica não é uma coisa fácil... A tradução abaixo é do blog de notícias Yeshiva World News:


De acordo com um relatório do jornal B’Chadrei Chareidi, Michael, o pai da família, foi reconhecido como judeu pelo Ministério do Interior de Israel após apresentar um get (documento de divórcio judaico) escrito pelo Philadelphia Beit Din.


De acordo com o relatório, Batei Din no exterior concedem gittin (plural de get) a pessoas que sejam apenas judeus “safeik”(sem comprovantes), a fim de eliminar completamente a possibilidade de transgredir uma proibição judaica de futuro casamento ilícito da esposa. Este foi, segundo consta, o caso de Michael.


A organização anti-missionária Yad L'Achim recorreu ao Philadelphia Beit Din para esclarecer se ele genuinamente reconhecia o status de judeu de Michael ou se apenas concedia o get para evitar futuras trasngressões halachicas.


O Beit Din enviou a seguinte carta: “Isto é para declarar que não é possível confiar na condição de judeu daqueles que dão ou recebem um get - que eles são realmente judeus, sem dúvida”.


“Um casal que vem ao Beit Din e pede o divórcio é convidado a nos mostrar sua ketubá (certidão de casamento judaico), (e muitas vezes é uma ketubá Reformista ou Conservadora, r’l), e às vezes a ketubá é perdida. Mas eles se apresentam como marido e mulher judeus e pedem um get. E há casos em que casais se divorciam após mais de 50 anos juntos e muitas vezes não é possível localizar (documentos que mostrem) seu local de nascimento e onde cresceram. Verificamos seus nomes o máximo possível e escrevemos e concedemos a obtenção (o get). É impossível examinar completamente o passado deles. ”


“Mas quando as pessoas vêm ao Beit Din para pedir um documento que comprove a sua condição de judeu, o processo é completamente diferente. Pedimos uma certidão de nascimento, milah, pidyon haben, certidões da mãe e do pai, avó, etc., etc. E reconhecemos sua condição de judeu somente após uma avaliação completa e abrangente. ”


“Declaramos que não é possível contar apenas com a ajuda de um Beit Din para esclarecer a condição de judeu de alguém.”



Carta do Beit Din da Filadélfia = Fonte da imagem = Yeshiva World News

https://www.theyeshivaworld.com/news/headlines-breaking-stories/1969411/how-did-the-chareidi-missionary-prove-he-was-jewish.html



NOTA DA ESTHER: QUE CARTADA DE PILANTRA-MESTRE, NÃO? Nem eu sabia que um beit din não exige comprovação de judaicidade para dar um get...mas aparentemente, Michael sabia e ele usou essa brecha para tirar proveito e assim conseguiu fazer aliá.


PRA VOCÊS TEREM IDEIA, HÁ ATÉ SITE MESSIÂNICO DANDO DICAS DE COMO MISSIONÁRIOS PODEM FAZER ALIÁ = https://news.kehila.org/observations-on-messianic-jewish-aliyah/


NÃO ESTAMOS LIDANDO COM AMADORES AQUI.


A segunda esposa de Elkohen, Amanda, parecia abraçar sua vida dupla em Jerusalém. Eles tiveram cinco filhos, e ela acrescentou à história fingida do casal, dizendo aos amigos que ela tinha parentes que morreram no Holocausto.



Michael e Amanda Elkohen e seus 5 filhos - Fonte da imagem = Jerusalem Post

https://images.jpost.com/image/upload/f_auto,fl_lossy/t_JD_ArticleMainImageFaceDetect/475506



Em muitos aspectos, o casal fingia muito bem. Em 2008, Michael Elkohen supostamente escreveu um livro intitulado The Triumph of Justice about Messianic Judaism (O Triunfo da Justiça sobre o Judaísmo Messiânico) e escreveu um blog sobre ser um missionário secreto, usando o pseudônimo de Lev David. O livro foi publicado pela MorningStar Publications, creditado a "An Orthodox Jewish Rabbi" (Um Rabino Ortodoxo) e "Lev David Ministries" (Ministério Lev Davi).


Por sua vez, a Sra. Amanda Elkohen tinha duas páginas no Facebook, uma como judia e outra como cristã.


Segundo o Jewish Chronicle, "Para os investigadores, o foco agora se volta para os discípulos e colegas de Elkphen, em um esforço para erradicar os outros missionários disfarçados nas comunidades ortodoxas.


Três famílias cristãs (que moram em Jerusalém), que também são missionários secretos estão sob investigação neste momento, revelou uma porta-voz da organização Beyneynu, e devem ser desmascaradas em breve.


Para a mãe de Elkohen, a história trouxe nada além de tristeza. Elkohen até se recusou a vê-la durante uma viagem a Jerusalém, há alguns anos atrás. “Acho que ele estava procurando seu propósito de vida, o que deveria estar fazendo”, disse ela.



Michael Elkohen orando com meus amigos no MorningStarTV - Ministério Estrela da Manhã

Imagem = Times of Israel = https://static.timesofisrael.com/blogs/uploads/2021/04/1-2.jpeg



Em 2014, quando Michael foi exposto como missionário pela primeira vez, ele estava estudando na yeshiva para cabalistas, Nehar Shalom (https://www.youtube.com/watch?v=RrYtUiKFGi4), em Meah Shearim. Ele foi expulso da yeshiva e então se mudou para o bairro de French Hill, em Jerusalém, onde continuou seu trabalho missionário.




COMO MICHAEL FOI DESMASCARADO?

Desde que sua esposa, Amanda, ficou doente, alguns amigos começaram a desconfiar de algumas histórias do casal, mas... devido a gravidade da doença dela, ninguém os colocou em situação difícil. Depois do falecimento de Amanda, a filha mais velha do casal, uma adolescente de 13 anos falou para uma colega da escola haredi onde estudava que Jesus amava a todos, mesmo que ela fizesse algo errado. A amiga, ao ouvir isso, memorizou bem as palavras, foi pra casa e contou aos pais. "Ima", disse ela hesitante, "uma garota da minha classe me disse que J me ama e me aceita exatamente como eu sou." Os pais entraram em contato com a direção da escola e uma investigação mais séria começou a ser feita.


Michael e filhos ainda estão em Jerusalém, NINGUÉM SABE EXATAMENTE ONDE, pois os filhos foram vistos - de acordo com a revista Ami - entrando em um trem em Jerusalém segurando malas grandes, e ninguém consegue contactar Michael. Todos aguardam resposta do governo israelense sobre revogação do direito de aliá dele. Como os 5 filhos nasceram em Israel, a situação fica mais complexa, pois eles são cidadãos israelenses e não podem ser expulsos do país.


Para se aproximar de judeus influentes no mundo haredi, ele escrevia um blog sobre cabala, onde se descrevia como rabino e enviava seus artigos para outros blogs judaicos, pedindo que postassem o texto dele. MUITOS BLOGUEIROS JUDEUS, até mesmo alguns do mundo haredi, postaram textos de Michael Elkohen. A esposa de Michael, Amanda, fazia o mesmo. Agindo assim, ambos ganhavam credibilidade na comunidade religiosa.


Segundo a revista Ami "Ela (Amanda) se integrou a cada grupo do Facebook para mulheres ortodoxas em Yerushalayim que você possa imaginar. Ela se tornou moderadora de vários deles. Seu nome estava em toda parte. Quando ela ficou doente, cerca de cinco anos atrás, ela precisava de carona para o hospital, comida, dinheiro e pessoas para cuidar de seus filhos. As pessoas se sentiram muito simpatéticas (e a ajudaram). Eles se reuniram ao redor dela e a apoiaram."


Qual não foi minha surpresa ao digitar o nome de Michael no Google e ver textos dele em diversos blogs judaicos, até mesmo um que eu sigo.


Fica o aviso, se você ver algo suspeito, ouvir uma história que não se encaixa ou testemunhar comportamento ou palavreado estranho, converse com seu Rabino a respeito.

FONTES:



https://www.thejc.com/exclusive-unmasked-the-christian-missionary-who-went-undercover-as-an-orthodox-rabbi-1.516346



https://www.northjersey.com/story/news/new-jersey/2021/05/03/orthodox-rabbi-nj-accused-double-life-missionary-israel/4868837001/



https://www.jpost.com/israel-news/haredi-rabbi-accused-of-being-a-covert-messianic-missionary-666517


https://www.theyeshivaworld.com/news/headlines-breaking-stories/1969411/how-did-the-chareidi-missionary-prove-he-was-jewish.html


https://www.amimagazine.org/2021/04/28/a-missionizing-couple-is-exposed-in-yerushalayim/



https://vinnews.com/2009/08/11/israel-flying-rabbis-fight-swine-flu-with-prayer-shofar/



Posts Destacados