Um Dia na Vida de Rambam



Hoje, 20 de Tevet, comemora-se o yortzait (aniversário do falecimento) de Maimônides. Embora tenhamos acesso a sua gigantesca obra literária religiosa, filosófica e no campo da medicina, pouco ele escreveu sobre sua vida pessoal. Porém, uma carta que ele enviou ao amigo R. Samuel Ibn Tibbon em 30 de Setembro de 1199 nos dá uma ideia de como seus dias eram exaustivos e nos mostra um pouco do lado humano deste que foi um dos Judeus mais brilhantes que viveram neste mundo.





"Eu moro em Mirst (Fustat) e o Sultão reside no Cairo; esses dois lugares estão a 4000 cúbitos (aproximadamente 2km) distantes um do outro. Meus deveres para com o sultão são muito pesados. Sou obrigado a visitá-lo todos os dias, de manhã cedo; e quando ele ou qualquer um de seus filhos, ou qualquer um das internas de seu harém, estiver indisposta, não me atrevo a deixar o Cairo, mas devo sentar-me durante a maior parte do dia no palácio. Também acontece frequentemente que um dos dois oficiais reais adoece e devo cuidar de sua cura. Por isso, via de regra, vou para o Cairo muito cedo e, mesmo que nada de incomum aconteça, só volto para Fustat de tarde. Quando chego, estou quase morrendo de fome ...


Encontro as antecâmaras repletas de gente, tanto judeus como gentios, nobres e gente comum, juízes e meirinhos, amigos e inimigos - uma multidão mista que espera a minha volta.

Desmonto de meu animal, lavo as mãos, vou até meus pacientes e imploro-lhes que me acompanhem enquanto participo de um leve refresco, a única refeição que faço nas vinte e quatro horas.


Em seguida, procuro meus pacientes, escrevo receitas e instruções para suas várias doenças. Os pacientes entram e saem até o anoitecer, e às vezes até, duas horas e mais depois da chegada da noite. Eu converso e prescrevo para eles enquanto me deito de pura fadiga; e quando a noite cai, estou tão exausto que mal consigo falar.


Em conseqüência disso, nenhum israelita pode ter qualquer entrevista particular comigo, exceto no Shabat. Naquele dia, toda a congregação, ou pelo menos a maioria dos membros, vem a mim após o serviço matinal, quando eu os instruo sobre seus procedimentos para toda a semana; estudamos um pouco juntos até o meio-dia, quando eles partem. Alguns deles voltam e lêem comigo depois do serviço religioso da tarde até as orações da noite. Assim passo o meu dia."




Vocês podem encontrar esta carta nos livros:


Kobler, Letters of Jews, I: 194-196


The Jew in the Medieval World: A Source Book by Jacob Rader Marcus.


The Jews of Spain by Jane S. Gerber




"Um pequeno histórico. Após sua fuga dos Almohades, Maimônides viveu sua vida no Egito. Até a meia-idade, ele foi sustentado por seu irmão David, que era um comerciante mundialmente famoso. Isso lhe permitiu a liberdade de compor suas grandes obras. Mas quando seu irmão se perdeu repentinamente no mar, ele sustentou a si mesmo, sua família e a família de seu irmão praticando medicina. Eventualmente, sua reputação chegou ao palácio de Saladino, o Sultão do Egito, que é famoso por derrotar Ricardo Coração de Leão na Terceira Cruzada. Na época em que a carta foi escrita, Maimônides era médico da corte de Saladino. Ele tinha 64 anos e morreria quatro anos depois.

https://www.jewishhistory.org/maimonides-letter-to-a-friend/ "

Posts Destacados
Procure por Tags

© 2015 por Vida Pratica.